O sol é um poderoso aliado da saúde, e no verão nos traz um bem-estar – ficamos muito mais animados em dias ensolarados em comparação com os chuvosos. O sol também é importante para o metabolismo da vitamina D e fortalecimento dos ossos. Mas as exposições repetidas ao sol durante toda a vida exercem efeito sobre a pele – o dano se manifesta com o passar dos anos. Mesmo para quem não freqüenta praia, o efeito da exposição diária ao sol cobra sua conta no futuro, trazendo todas as características da pele “fotoenvelhecida”. A exposição solar diária, conhecida como “exposição acidental” provoca uma série de danos cumulativos sobre a pele, que irão se manifestar clinicamente na forma de rugas e manchas que se tornam mais evidentes a partir dos 30 a 35 anos. Hoje sabe-se que cerca de 80% do envelhecimento de nossa pele se dá através da exposição solar (mesmo a diária). Podemos perceber estes efeitos desastrosos da exposição a luz comparando a a pele da face, do colo ou do dorso das mãos, que recebem maior exposição solar, com a a pele do abdômen em pessoas idosas. A diferença é gritante.
Na juventude, a pele possui mecanismos que corrigem o dano solar, mascarando as alterações que vão se processando de uma maneira lenta e progressiva. No entanto, o efeito se acumula e mais tarde os mecanismos de defesa não conseguem mais reverter o mal. É quando começam a aparecer os sinais do envelhecimento. Além do envelhecimento cutâneo, as queimaduras solares repetidas e frequentes deixam a pele mais predisposta ao surgimento do câncer, especialmente em indivíduos de pele clara. A radiação ultravioleta do sol, além de alterar o código genético das células, inibe mecanismos de defesa que nos protegem contra a doença. Algumas das características do envelhecimento cutâneo, como as “casquinhas” e ‘asperezas’ que aparecem com a idade, são lesões que podem vir a se transformar em câncer da pele e devem ser tratadas. Há como prevenir o fotoenvelhecimento, através da proteção solar, que deve ser iniciada desde a infância – a responsabilidade da proteção da pele das crianças é dos pais. A educação desde cedo cria o hábito saudável.

Podemos proteger nossa pele desses efeitos nocivos com alguns cuidados básicos:

Uso de protetores solares com FPS 15 ou maior nas áreas de pele continuamente expostas ao sol e que mais envelhecem, como a face, pescoço, colo, braços e mãos – diariamente, mesmo em dias nublados, mesmo em dias chuvosos. Os raios UVA, que são os principais responsáveis pelo envelhecimento da nossa pele, estão associados a claridade e não necessariamente ao sol ” forte”. Os protetores devem ser aplicados pelo menos 20 A 30 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicados após mergulho ou transpiração excessiva. No dia-a-dia, uma aplicação pela manhã repetida após o almoço pode ser suficiente, porém na praia ou com exposição solar prolongada esta reaplicação deve ser realizada a cada 2 a 3 horas, pois o filtro sofre um processo de degradação, perdendo a sua eficiência.
Chapéu, boné e guarda-sol devem ser sempre usados quando for à praia, além do filtro solar, pois parte da radiação ultravioleta reflete-se na areia atingindo a pele.
A exposição solar direta deve ser sempre evitada no período entre 10 e 15 horas.
PELE SECA:

  • Nada de banhos quentes, pois eles retiram a oleosidade natural da pele.
  • Evite passar muito sabonete e não use bucha, que prejudica a hidratação natural e agride mecanicamente a pele. Os sabonetes tem um pH alcalino que agride o manto de hidratação cutânea natural, diminuindo assim os mecanismos naturais de defesa da pele, e devem ser evitados em áreas de pele muito ressecada. Banhos com sabonete no máximo uma vez ao dia e só nas áreas de dobra de pele (axilas, regiões inguinais e nádegas).
  • Logo após o banho, com a pele ainda úmida, use um hidratante indicado para seu tipo de pele, nas áreas ressecadas.
  • Beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras

PELE OLEOSA:

  • Evite usar hidratantes nas áreas de pele oleosa. Mesmo se logo após o banho, a pele parecer ressecada, saiba que em pouco tempo a oleosidade natural volta.
  • Use sempre protetor solar, com FPS, oil free (sem óleo) – já existem no mercado produtos específicos para esse fim, inclusive filtros que ajudam a controlar a oleosidade da pele. Os cosméticos e maquiagem para a pele oleosa também devem ser livres de óleo.

COMO EVITAR AS MICOSES DA PELE:

  • Evite roupas quentes e justas. Evite os tecidos sintéticos, principalmente nas roupas de baixo. Prefira sempre tecidos leves como o algodão. Seque muito bem o corpo após o banho, principalmente as dobras de pele como as axilas, as virilhas e entre os dedos dos pés.
  • Evite ficar com roupas molhadas por muito tempo (sungas, maiôs, roupas de ginástica, etc).
  • Não use objetos pessoais (roupas, calçados, pentes, toalhas, bonés) de outras pessoas.
  • Não ande descalço em pisos constantemente úmidos (lava pés, vestiários, saunas).

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>